domingo, 31 de maio de 2009

ARRAIAL, AQUELE LUGAR ESPECIAL

Foto de Laís Lobato Heberle


Quem não tem um lugar em que se sente protegido, consolado, feliz? Um lugar onde pensa ir quando as coisas não vão bem, quando tudo parece difícil, quando dá vontade de largar tudo, ou apenas sair em busca de sol, calor e um mar de águas tépidas?
O meu lugar especial é este, no Arraial da Ajuda, atrás da igrejinha, com a mata, o mar e o céu a compor paisagem.
Na tabuleta, o primeiro mandamento dos baianos: calma!
Não há como desobedecer.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

A GERAÇÃO NEM NEM


VIDAS DESPERDIÇADAS

O lixo é o símbolo da sociedade globalizada. Nas últimas décadas temos produzido cada vez mais objetos descartáveis, e até países do terceiro mundo já não sabem o que fazer os seus rejeitos, de sacolas de plástico a carcaças de computadores. A população se concentra em cidades cada vez maiores e poluídas. A vida moderna se caracteriza pela necessidade de consumir mais, trabalhar mais para trocar mais rapidamente de carro, de roupa, de celular.
Só que este padrão de vida custa caro, e é inacessível para a maioria da população. Acaba criando legiões de insatisfeitos, frustrados. Até porque a era dos empregos estáveis, da carreira numa só empresa até uma aposentadoria tranquila, acabou.  As corporações modernas querem funcionários jovens, bem preparados, ambiciosos e dispostos a tudo para manter os seus postos, sem reclamar dos salários. Reduzir os quadros de trabalhadores (e aumentar a carga de trabalho dos remanescentes) é meta de todas. Como num Big Brother, ao menor descuido os menos competitivos são descartados. Uma das consequências desta dura realidade é o surgimento da geração chamada de Nem, Nem - nem estuda, nem trabalha, não está nem aí. São jovens que, na idade de plena potência física e mental, preferem passar seus dias curtindo uma boa, às custas dos pais,  despreocupados com um futuro que, para eles, nunca chegará.  Decidiram não lutar.
Zygmunt Bauman, sociólogo polonês que desde 1971 leciona na Universidade de Leeds, na Inglaterra, dedica o livro Vidas Desperdiçadas (Editora Zahar, 170 páginas, publicado em 2004) a uma análise dolorosamente lúcida do processo econômico, político e social da sociedade de consumo que transforma milhões de pessoas - muitas vezes a maioria da população de um país - em lixo humano, reduzido à exclusão, sem direito a reciclagem.
Pior: ao contrário do que aconteceu até o início do século XX, já não há mais territórios disponíveis para enviar estas massas de excluídos. Bauman dá exemplos como a ocupação do Canadá por trabalhadores ingleses desempregados, em 1881. Nós mesmos, descendentes de imigrantes portugueses, alemães, italianos, espanhóis, somos frutos destas mudanças cíclicas que expeliram milhões de pessoas de suas terras em busca de uma nova chance. Só que agora os países que mantiveram seu equilíbrio social às custas do exílio dos excedentes criam barreiras cada vez mais rígidas para impedir o ingresso desses indesejados que tentam sair da condição de miséria.
Expulso pelo regime polonês em 1968 e obrigado a emigrar para o Canadá, o sociólogo dedica parte de seu livro a denunciar a mudança do papel dos governos. São raros os que ainda se mantém fiéis ao princípio do estado social (Suécia, Dinamarca e Suíça entre eles). A Inglaterra pós-Tatcher e os Estados Unidos pós-Reagan lideram a mudança para o estado policial: guarnecer as fronteiras para impedir a entrada dos indesejáveis e encarcerar os cada vez mais numerosos contraventores das leis, jogados em prisões transformadas em depósitos de seres  humanos. Não se fala mais - nem na Europa nem no Brasil - em reciclar os presos para que voltem ao convício da sociedade. Mais importante é construir mais e maiores prisões para confinar os excluídos.
A cultura do lixo ocupa um quarto das páginas do livro. Aborda desde as relações humanas até a produção cultural, marcada pela busca aos modismos descartáveis. É a "cultura do cassino", em que todo produto cultural deve ter o máximo impacto e obsolescência instantânea.
Nada que está no livro de Bauman chega a ser uma novidade. Mas é fascinante o cruzamento de aspectos sociais, políticos, históricos e econômicos para responder a tantas indagações que fazemos a respeito desta época na qual as transformações ocorrem com tanta rapidez e nos atingem profundamente, deixando-nos inseguros e confusos quanto ao futuro.
Do livro:

"Na Grã Bretanha, produzimos cerca de um milhão de toneladas de refugo eletrônico em 2004, esperando dobrar este volume em 2010. As empresas aceleram o trajeto dos equipamentos rumo à obsolescência, tornando-os permanentemente defasados ou criando a impressão de que, se não se mantiver em dia, você é que será o defasado."
"Com o benefício da distância, podemos ver que houve um verdadeiro divisor de águas na história moderna, na década entre os 30 anos do pós-guerra, marcados pela reconstrução, o pacto social e o otimismo desenvolvimentista que acompanhou o desmantelamento do sistema colonial e o florescer de novas nações, e o admirável mundo novo caracterizado por fronteiras eliminadas ou rompidas, pela avalanche de informações, a globalização galopante, uma orgia consumista no Norte abastado e um penetrante sentimento de desespero e exclusão em grande parte do resto do planeta."
"O relatório do ACNUR - Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados - de 2004 estimava em 22,1 milhões o número de refugiados, sem incluir os que estavam sob os cuidados de outras agências nem os quatro milhões de palestinos e as minorias perseguidas às quais é negado o direito à cidadania".
"O Estado social está se tornando aos poucos, mas de modo inexorável e consistente, um Estado-guarnição, que cada vez mais protege os interesses das corporações globais, transnacionais, enquanto aumenta o grau de repressão e militarização do front doméstico."
"De forma explícita, o principal e talvez único propósito das prisões não é ser apenas um depósito de lixo qualquer, mas o depósito final,definitivo. Uma vez rejeitado, sempre rejeitado.
"Uma amiga que vive num dos países da União Européia, pessoa muito inteligente e instruída, criativa, que domina diversos idiomas e que passaria com brilhantismo na maioria dos testes e entrevistas de emprego, queixou-se numa carta do fato de o mercado de trabalho ser delicado como a gaze e quebradiço como a porcelana."

terça-feira, 26 de maio de 2009

NUDEZ NA VITRINE




Manequins à espera de roupas, numa loja de Tramandaí/RS

sábado, 23 de maio de 2009

THE ENCLOSURE OF THE SUN


Um shopping, às três horas da tarde de um sábado ensolarado.

terça-feira, 19 de maio de 2009

JOSÉ ONOFRE


A imagem da belíssima lagoa de Tramandaí é uma homenagem ao jornalista José Onofre, falecido nesta terça-feira, 19 de maio de 2009.


domingo, 17 de maio de 2009

NA CONTA DO AUGUSTO

Augusto Nunes assumiu a direção do jornal Zero Hora com a missão de modernizá-lo. Entre as mudanças que impôs, a principal foi o fim do duplo emprego - trabalhar na redação e também numa assessoria de imprensa, por exemplo.
Acabou também com a função de pauteiro - " ninguém tem que ser pago para ter idéias, este é um compromisso de todos" - e a de redator - "um jornalista tem que saber escrever bem, e sem erros", dizia e repetia. Avaliações diárias e semanais das edições passaram a ser rotina.
Do Estado de S.Paulo, que dirigia antes de vir para ZH, Augusto trouxe os editores José Onofre, José Paulo Kupfer, Cida Damasco e Eduardo Bueno, o Peninha, para auxiliá-lo nas transformações.
A inovação mais surpreendente para editores e subeditores que não estavam acostumados nem mesmo a ouvir críticas e elogios ao seu trabalho foram as imersões semestrais para a revisão de conceitos e metas. Num sábado de manhã, embarcávamos, sonolentos, num ônibus que nos levava a um hotel da Serra para um exercício de autocrítica, definição de metas e convivência fora do ambiente da redação.
No sábado à tarde e na manhã de domingo debatíamos nossos problemas, ouvíamos palestras, trocávamos idéias. Mas a noite de sábado era o momento mais esperado: um bom jantar, num ambiente descontraído, em que bebíamos os melhores vinhos disponíveis, conversando sobre tudo menos o estresse da vida de jornalista. As conversas se estendiam madrugada adentro, até o sono nos mandar para os apartamentos.

No primeiro desses encontros, depois de jantar, um grupo se reuniu junto à piscina. Papo vai, papo vem, o garçom chegou e nos perguntou se queríamos beber algo. A noite estava quente, e pedimos cerveja. No cardápio constava uma alemã muito boa, e cara. É claro que as bebidas fora das refeições não estavam incluídas nas despesas pagas pela empresa. Zé Paulo pediu uma rodada da importada e assinou a nota. "Não se preocumpem, coloquei a conta do apartamento 312. O do Augusto. Vamos beber à vontade", disse. E foi o que fizemos.
No dia seguinte, na hora do check out, ficamos atentos à reação do diretor à sacanagem. Ao contrário do Zé Paulo, do Peninha e dos outros "paulistas", nós mal o conhecíamos. Ao conferir a sua conta, disse em voz alta: "filhos da puta! Beberam à minha custa E NÃO ME CONVIDARAM !..."
Gargalhadas encerraram o assunto.











segunda-feira, 11 de maio de 2009

BÚZIOS, RIO DE JANEIRO




A história de Armação de Búzios tem duas eras: ABB e DBB - antes e depois de Brigitte Bardot. Antes era uma vila de pescadores - não mais de 300 moradores - onde de vez em quando apareciam alguns cariocas de classe média e alta em busca de sossego, paisagens lindas e peixes fartos em suas águas transparentes. Ronaldo Bôscoli, Roberto Menescal, Luizinho Eça e Nara Leão enfrentavam num fusca os 160 quilômetros de estradas de areia, lama e pó do Rio até Búzios para buscar inspiração, e entre goles de champanha, uísque e guaraná, criavam canções que encantavam o país.
Em janeiro de 1964, Bardot foi levada até o vilarejo por seu namorado Bob Zagury, um francês apaixonado pela Bossa Nova brasileira. Ficou lá até o fim de março, com rápidas passagens pelo Rio para reabastecimento de provisões e noitadas incógnitas - e memoráveis para todos os participantes - em bares, boates e em apartamentos de amigos de Bob como Tom Jobim e Luizinho Eça.
Voltou para a França logo depois do golpe militar, com muitas lembranças agradáveis - banhos de sol e mar, natureza intocada, beleza por todos os lados, calor humano dos moradores que nem sabiam ser ela uma atriz famosa. Aliás, nunca haviam visto um filme sequer.
Mas os relatos e as fotos de Brigitte Bardot no seu paraíso brasileiro ganharam o país e o mundo, e Búzios mudou. Dois anos depois, ao chegar para sua segunda temporada com o mesmo Bob Zagury, Brigitte foi tratada como celebridade: homenageada pela Câmara de Vereadores de Cabo Frio (então sede do município), pediu a um amigo para representá-la. Em vez de anonimato e descontração, fotógrafos e curiosos por todo lado. A prefeitura chegou a dar a ela um terreno para que construísse o seu "segundo lar". Saiu dias depois. Desiludida, nunca mais voltou.
Com a construção da ponte Rio-Niterói e da rodovia estadual Ernani do Amaral Peixoto, as cidades da região dos lagos, como Búzios, Cabo Frio, Arraial do Cabo e Araruama, se tornaram balneários de fim de semana e de férias dos cariocas, mineiros e capixabas. Nenhuma delas, no entanto, tem o charme e a beleza natural de Búzios. Procurada o ano inteiro por turistas do Brasil e do exterior, a antiga vila de pescadores acabou perdendo boa parte do seu encanto por causa da especulação imobiliária. Os hotéis, pousadas e casas de veraneio ocupam boa parte dos morros e das áreas próximas às praias que antes extasiavam os visitantes.
Mesmo assim, vale a pena curtir as praias, os bares, restaurantes e as lojas chiques concentradas na área central da cidade.


Os três pescadores da foto, cercados de barcos de pesca, são esculturas de bronze. Uma homenagem aos primeiros habitantes do lugar.


Rua das Pedras, centro comercial, cultural e gastronômico da cidade


 

Para conhecer Búzios, a melhor forma é alugar um carro, no Rio ou lá mesmo. As muitas e belas praias ficam distantes e cercadas de morros para ir a pé e os táxis são raros, especialmente fora da temporada de verão. Aproveite e conheça Cabo Frio, Arraial do Cabo e as cidades às margens dos lagos, como Araruama, São Pedro da Aldeia e Saquarema.





Geribá é a praia mais extensa e badalada de Búzios. Está cercada de mansões e condomínios fechados. 


BÚZIOS


Rua das Pedras, centro comercial, cultural e gastronômico da cidade.

BÚZIOS

Os três pescadores da foto, cercados de barcos de pesca, são esculturas de bronze. Uma homenagem aos primeiros habitantes do lugar.


BÚZIOS

O entardecer no lado oeste do istmo é um espetáculo.


Praia da Armação, no centro da cidade

PRAIA DO GERIBÁ



Geribá é a praia mais extensa e badalada de Búzios.
Está cercada de mansões e condomínios fechados.

PRAIAS E MORROS

Para conhecer Búzios, a melhor forma é alugar um carro, no Rio ou lá mesmo. As muitas e belas praias ficam distantes e cercadas de morros para ir a pé e os táxis são raros, especialmente fora da temporada de verão. Aproveite e conheça Cabo Frio, Arraial do Cabo e as cidades às margens dos lagos, como Araruama, São Pedro da Aldeia e Saquarema.




CABO FRIO, RIO DE JANEIRO

Barcos atracados ao deck na margem direita do canal que liga a lagoa de Araruama ao mar dão um toque de sofisticação a Cabo Frio

As correntes marítimas do sul do continente emergem em Cabo Frio. Por isso a temperatura da água do mar é bem mais baixas que o normal no litoral brasileiro. Mesmo no verão ela é fria, daí o nome da cidade.


Sem o apelo turístico internacional de Búzios, Cabo Frio é frequentada pelos cariocas nos fins de semana e por moradores da região sudeste, especialmente mineiros, nos meses de janeiro e fevereiro. Tem excelente infraestrutura. As ruas e praças são bem cuidadas.

sábado, 9 de maio de 2009

QUERÊNCIA AMADA









DOLCE VITA



ANGRA DOS REIS, RIO DE JANEIRO, BRASIL


quarta-feira, 6 de maio de 2009

FLORIANÓPOLIS



Baía Norte, Florianópolis, Brasil