segunda-feira, 30 de junho de 2014

O ARRAIAL D'AJUDA ERA ASSIM



Na década de 1980,  o Arraial d'Ajuda era um lugarejo ainda rústico mas já charmoso o suficiente para atrair aqueles brasileiros e estrangeiros que buscavam paz, alegria, belas praias e, por que não - muito agito. Afinal, era o auge da lambada/zouk, do reggae e do rock, nacional e internacional. 
 Arraial,  território de liberdade, onde "todas as noites são sábado, e todos os dias domingo".   Lugar para curtir cada momento, longe dos problemas políticos e econômicos do país. 
As fotos abaixo foram feitas por mim entre os anos de 1984 e 1990. 
Clique sobre elas para ampliá-las, e... 
 boa viagem! 



Em 1984 Porto Seguro  era uma cidade pequena, bonita, acolhedora. Ainda não tinha vôos comerciais - viajava-se 18 horas do Rio de Janeiro ou 24 horas de São Paulo para chegar. 
Mas ninguém reclamava...


Bem-vindo ao Arraial!


A estrada da Balsa, quatro quilômetros de pó ou de barro


A igreja  de Nossa Senhora d'Ajuda, onde tudo começou.
 Em 1987 ainda havia um coreto junto à estátua do Cristo Redentor 


A praça Brigadeiro Eduardo Gomes. Ao redor dela foram construídas as primeiras casas do povoado




Frutas, verduras, legumes, à venda na praça, debaixo das árvores. 


As folhas de coqueiro e bananeira anunciam: hoje à noite vai ter lambada no Jatobar. Temperatura? 50 graus. Voltagem? 50 mil volts, ao som do Arrow: "feeling hot, hot, hot"



O belvedere atrás da igreja, point ideal para uma foto


Caminhões-pipa socorriam os moradores quando faltava água 


A boca da Bróduei, ponto de chegada dos visitantes. 
Antes do Fredo's, naquela esquina funcionava o Tropicana, onde rolava cerveja, caipirinha e rock'n'roll a noite inteira. 
 Na confeitaria Papalua, à esquerda, os doces eram feitos por deuses. 


De manhã, leite do tambo. 
À noite, festa e mais festa




A Bróduei, alma do Arraial.  Música ao vivo, dança, encontros e desencontros, um mix de idiomas.
 Nos bares e restaurantes da rua rolavam Bob Marley, Fagner, Lobão, Gil, Alceu Valença, Zé Ramalho,  Raulzito, Led Zepellin, The Cure,  Titãs, Supertramp,  Santana, Stones, Dire Straits. 
O restaurante Chez Lampião era especial. Além da boa comida, havia discos de ótima qualidade que pouca gente conhecia. 
 Foi ali que ouvi pela primeira vez Phillip Glass, Spyro Gira e Stephane Grapelli. 
De todos aqueles lugares, o único ainda em atividade é o Geraes


O bar do Pedrão





O campo de aviação, com sua biruta balançando ao vento, ainda era utilizado para pousos e decolagens de aviões pequenos. 


A rua do Campo


Rua do Mucugê, o Caminho do Mar. 
À esquerda, a pousada Flamboyant, e mais abaixo o restaurante Manguti




Alameda dos Flamboyants, das  pousadas do Paulista,  Coqueiros,  Bemvirá,  Arraial Candeia e do restaurante Rosa dos Ventos 



A rua da Lapinha, onde ficava o bar "A Volta do Boêmio"



 "Síndrome de Ajuda" é  a definição do poeta, músico e escritor Ari Sobral, líder da banda Água de Coco, para a doença incurável que acomete uma pessoa que conhece o Arraial e acaba voltando lá para nunca mais sair. Isabel,  gaúcha, professora de história formada pela PUC/RS, foi uma "vítima" desse mal. Durante alguns anos, na década de 80, criava cangas artesanais, na sala de sua casa transformada em ateliê. Mais tarde fez concurso para professora estadual e até hoje passa conhecimentos de história - inclusive do Arraial - para os alunos do ensino médio.




O Arraial sempre atraiu  "malucos beleza" de todo tipo 


Relax na praça São Braz.  


No cemitério no centro o repouso dos primeiros moradores


O prazer de um dia na praia começava com a visão do mar


Na volta, a subida da ladeira e aquela sede. 



A praia do Mucugê...


e a da Pitinga, em 1984. Sem barracas, sem pousadas. 


 Um mergulho, à vontade, no rio Taípe 


O riacho Mucugê


  A lagoa Azul 

O Arraial era assim. Muita coisa mudou, mas na essência, continua igual. 
Lindo, apaixonante, de alto astral. 
Um lugar único. 
A esquina do Mundo - de todo mundo. 






domingo, 22 de junho de 2014

ARRAIANA FM


MÚSICA PARA SEUS OUVIDOS

Para quem tem mais de 40 anos, é difícil ouvir duas ou três músicas na mesma rádio. A não ser, claro, que o gosto musical do ouvinte se limite ao pancadão, ao sertanejo universitário, ao hip-hop, ao funk. Em cidades maiores ainda existem as emissoras universitárias e as de fundações culturais, que tocam música clássica e selecionam o que vai ao ar. Mas em cidades do interior, com raras exceções, é impossível ouvir rádio. 
Pois lá no Arraial d'Ajuda, charmosa vila de Porto Seguro, Bahia,  a Arraiana FM só toca música boa. É uma emissora comunitária, com mão de obra voluntária, e os anúncios, a cada três músicas,  financiam a manutenção dos equipamentos e demais despesas.  
De manhã, a base é de música brasileira de qualidade. E dê-lhe Chico Buarque, Bethânia, Gonzaguinha, Marisa Monte. Não falta Ari Sobral com a sua banda  Água de Coco cantando o hino do Arraial. Toca até  o portoalegrense Nei Lisboa. 
Ao meio dia, Planeta Reggae. Depois, Gonzagão e a turma do nordeste - sanfona, zabumba, triângulo, forró. Nada mais natural, pois estamos no Nordeste. 
Ao longo da tarde muito rock nacional e estrangeiro, baladas, e, sempre, MPB.
Das nove às dez da noite, World Music. Das onze à meia-noite, blues e jazz, e na madrugada, só música leve, suave. É uma rádio que se ouve com prazer, dia e noite.

Quer ouvir também? Entra no site:

http://arraianafm.com.br/ouca.htm

A grade de programação:


7 as 8 todos os dias
Programa Amanhecer : Musica instrumental, clássica e relaxamento.
8 as 10 todos os dias
Programa Matinal : Músicas variadas, mais tranqüilas.
10 as 12 todos os dias
Programa O Som do Brasil: MPB, rock brasileiro e musicas atuais
12 as 13 todos os dias menos domingo
Programa Planeta Reggae
12 as 13 só aos domingos
Forró e axé antigos.
13 as 14 todos os dias menos sábado e domingo
Programa Samba, Choros e Bossas
13 as 14 sábados e domingos
Programa Samba e Pagode
14 as 17 todos os dias: Programa Tarde Musical
Musicas brasileiras e internacionais, novas e antigas
17 as 18 todos os dias
Programa Sessão Música Country : country americano e regionais brasileiras, tipo Almir Sater, Geraldo Vandré,Banda de Pau e Corda e outros.
18 as 20 todos os dias menos sábado e domingo
Programa Noite I : Músicas variadas agitadas.
19 as 20 sábados e domingos
Beatles Forever: Músicas dos Beatles cantadas por eles e por outros intérpretes.
20 as 21 todos os dias
Programa Seleção Forma: Músicas brasileiras e internacionais mais modernas.
21 as 22 todos os dias
Programa World Music: Músicas de vários estilos do mundo inteiro, inclusive da Índia, África, Arábia, etc.
22 as 23 todos os dias
programa Rock Vinil I: Rock brasileiro e internacional de 1980 pra trás.
22 as 24 só as sextas e aos sábados
Programa Rock Vinil II: Rock brasileiro e internacional de 1980 pra trás , porém só as músicas mais agitadas.
23 as 24 todos os dias menos sextas e sábados
Programa Blues e Jazz
00 as 7 todos os dias: Programa Ritmos da Noite
Mix com todas as músicas brasileiras e internacionais dos outros programas.

LOTUS, A FLOR DA PUREZA




Como é bela e delicada esta flor asiática,
símbolo da pureza e da renovação









sábado, 21 de junho de 2014

PORTO SEGURO, BAHIA


            O  passado no presente


terça-feira, 17 de junho de 2014

ARTESANATO PATAXÓ



Artesanato feito com sementes de Pau Brasil e outras árvores nativas do sul da Bahia feito pelos índios pataxós



sábado, 7 de junho de 2014

VELEIROS, LANCHAS, CANOAS








CANGACEIRO FASHION


Este Lampião estilizado recebe os clientes desta loja de artigos de couro em Porto Seguro, Bahia



quarta-feira, 4 de junho de 2014

PORTO SEGURO ENFEITADA PARA A COPA


O Centro Histórico,


a  Passarela do Álcool, 




a avenida Getúlio Vargas, em Porto Seguro, 



 e a Bróduei, no Arraial da Ajuda.